Segunda-feira, 24 de junho de 2019

Bom dia,

  1

  1

Juros e política são destaques da semana. As negociações em torno da reforma da previdência seguem nos holofotes, com o mercado atento aos ajustes do relator, com possibilidade de mudança em itens como a idade mínima para professores e na regra de transição. O julgamento do habeas corpus de Lula no STF pode trazer algum ruído durante a semana, mas sem impacto algum na nossa visão para a Bolsa paulista. Destaque para a ata do Copom, que sai na quarta-feira, e pode levar a ajustes nas estimativas para a Selic. Já é consenso que um novo ciclo de baixa se aproxima, mas ainda há dúvidas quanto à intensidade e o prazo. O Focus ainda aponta para juros de 5,75% ao final desse ano. Por outro lado, as projeções para atividade seguiram em queda, com estimativa para o PIB em 0,87% agora, assim como as de inflação, colocando em jogo a possibilidade de uma postura mais agressiva do BC. O IPC-S denotou deflação de 0,05% na última semana, com queda no preço da gasolina e de eletricidade.

 

Bolsas abrem semana do G-20 de lado. Sem grandes novidades lá fora, o mercado aguarda, com grande expectativa, o encontro que reunirá Trump e Xi Jinping e que ocorrerá entre sexta e sábado. Na Ásia, o pregão foi de Bolsas no azul, mas com uma alta bem moderada, perto do 0x0. Já na Europa, o pregão é mais negativo. Na Alemanha, o índice ifo de clima de negócios de junho ficou no pior patamar desde novembro de 2014. Além disso, a Daimler, que produz a Mercedes, revisou para baixo sua projeção de lucro. As ações da empresa caem mais de 4%, puxando para baixo os demais papéis do setor. Os riscos relativos à desaceleração econômica nos países desenvolvidos continuam elevados. Mas isso tem tido cada vez menos efeito nos mercados acionários lá fora no curto prazo, por dois principais motivos. O primeiro é que ainda há uma visão mais otimista quanto às disputas comerciais envolvendo os EUA e o segundo é a expectativa pela atuação dos bancos centrais com medidas expansionistas, que já vem sendo sinalizadas.

 

             

 

RD (RADL3) e Hermes Pardini (PARD3) distribuirão proventos. A RD irá distribuir o valor líquido de IR de R$ 0,1379 por ação em JCP, com a data ex nessa quarta-feira e o pagamento agendado para o dia 3 de dezembro. O yield da operação é de 0,19%. Já o JCP da Hermes Pardini é de R$ 0,0643 por ação, também já líquido, com data ex no dia 27 e o pagamento no dia 16 de julho. O yield da operação é de 0,34%.

JCP do Banco Inter (BIDI4). O banco vai pagar R$ 0,1072 (valor já líquido de IR) por ação para os acionistas posicionados ao final do dia 27 de junho, com os papéis ficando ex nessa sexta, dia 28. Yield da operação é de 0,18% e o pagamento será no dia 5 de julho.

 



Bons negócios