Quarta-feira, 19 de junho de 2019

Bom dia,

  1

  1

Copom é destaque por aqui... Mercado sai para o feriado de Corpus Christi na expectativa pelo comunicado do Copom, que sai no começo da noite de hoje. As apostas são de que a autoridade monetária sinalize corte(s) de juros nas próximas reuniões, mas há quem espere uma redução na Selic, hoje. A ida de Sergio Moro à CCJ do Senado deve ser acompanhada, mas sem expectativa de grandes novidades ou impacto para o mercado. Previdência segue na comissão especial da Câmara. Entrando na agenda econômica, o único indicador divulgado hoje foi o IPC, que subiu 0,08% na segunda semana de junho, acelerando em relação à alta marginal de 0,01% verificada na última divulgação, mas reforçando o cenário de inflação baixa.

 

...e o FOMC lá fora. O comunicado do comitê sai no meio do pregão e deve definir a direção do fechamento, já que o Copom só divulga sua decisão com os mercados fechados. As apostas de um corte já na reunião de hoje tem crescido lá fora, mas o que o mercado espera é a sinalização de um corte na reunião de julho. O mercado precifica 25% de chance apenas de um corte agora, mas cerca de 85% de chance de um corte no mês que vem. A falta de uma sinalização clara sobre os próximos passos do comitê de política monetária pode pesar. A autoridade monetária americana tem sofrido pressões de todos os lados por uma política mais expansionista, destacadamente do presidente Trump. À espera do FOMC, os mercados lá fora operam perto da estabilidade na Europa e os futuros de NY também apontam para uma abertura morna. Na Ásia, o pregão foi de forte alta, respondendo às novidades de ontem, com Trump confirmando um encontro com Xi Jinping no G20 na próxima semana e o BCE sinalizando a volta dos estímulos monetários por lá.

 

            

 

São Martinho (SMTO3) quer produzir etanol de milho em Goiás. A empresa assinou um protocolo de intenções com o governo do estado para implantar uma unidade anexa à Usina Boa Vista, em Quirinópolis. A capacidade de produção de etanol prevista é de 200 mil m³ e o investimento projetado é de R$ 350 milhões. O protocolo prevê uma série de incentivos e compromissos do estado de Goiás e do município, porém não obriga a companhia a realizar os investimentos.

Randon (RAPT4) acelera.
Em maio, a receita líquida da companhia chegou R$ 449,8 milhões, valor 56% superior ao registrado no mesmo período de 2018 e 6% maior do que o registrado em abril. No acumulado do ano e no segundo trimestre o faturamento avança cerca de 30% em relação aos mesmos períodos de 2018. Os papéis da companhia devem responder de forma positiva à novidade.

Copel (CPLE6) antecipa início de operação.
Após uma série de atrasos na entrada em operação de usinas, a Copel surpreendeu ao anunciar o início de operação da subestação Medianeira com três meses de antecedência. O efeito sobre os números, entretanto, é pequeno, com acréscimo de R$ 13,5 milhões de receita anual permitida, ou cerca de 2% sobre a RAP atual. De toda forma, a notícia deve trazer influência marginalmente positiva para CPLE6 hoje.

Sanepar (SAPR4) anuncia proventos.
Será distribuído JCP no montante líquido de R$ 1,4878 por unit, o equivalente a um yield de 1,9% frente à última cotação. Os papéis ficam ex em 1° de julho e a data de pagamento ainda não foi definida.

JCP da CSU (CARD3).
A companhia vai pagar o valor já líquido de R$ 0,0889 por ação para os acionistas posicionados ao final do dia 24 de junho. Papéis ficam ex na próxima terça, mas o pagamento será feito até o dia 31 de março do ano que vem. Yield de 1,4% em relação ao fechamento de ontem
.

 



Bons negócios