Sexta-feira, 19 de julho de 2019

Bom dia,

  1

      

  1

Governo frustra expectativas e não anuncia medidas de estímulo. O anúncio da liberação do FGTS ficou para a próxima semana, com a equipe econômica trabalhando em cima dos últimos detalhes. Destaque para a estimativa oficial do impacto das novas regras da previdência, conforme aprovada em primeiro turno na Câmara, que superou as estimativas. No vácuo de novidades em âmbito político e econômico, hoje o mercado fica atento às sinalizações do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que tem agenda com executivos do mercado financeiro à tarde, para calibrar as apostas em torno da condução dos juros no próximo dia 31. Sem novidades, entretanto, o mercado externo deve ser preponderante para o desempenho da Bolsa hoje.

 

Presidente do Fed de NY anima investidores. O discurso de John Williams denotando uma postura mais agressiva na política monetária derrubou os yields dos Treasuries e impulsionou os principais índices das Bolsas americanas na tarde de ontem. Segundo a CME FedWatch Tool, o mercado passou a precificar um corte de 0,5 p.p. como o mais provável na próxima reunião do Fed. Ontem à noite, o Fed de NY se pronunciou sobre o discurso dizendo que não era uma indicação do que poderia acontecer na próxima reunião, mas um discurso acadêmico em cima de vinte anos de pesquisa. Isso esfriou um pouco os ânimos, mas o mercado ainda precifica cerca de 41% de chance de um corte mais agressivo, apesar da aposta majoritária voltar a ser um corte de 0,25 p.p.. O petróleo opera em alta nessa sexta, com investidores de olho na tensão entre EUA e Irã. As Bolsas asiáticas e europeias abrem o dia no campo positivo, na esteira das declarações do presidente regional do Fed, sendo a AB InBev destaque de alta após vender a sua subsidiária australiana para reduzir sua alavancagem. Mercado hoje segue de olho na temporada de balanços lá fora, com a Microsoft devendo abrir em alta após superar a expectativa dos investidores, e dois representantes regionais do Fed com direito a voto nesse ano (St. Louis e Boston) discursam no decorrer do dia.

 

         

 

Prévia da Trisul (TRIS3). Os lançamentos vieram um pouco abaixo do observado nos trimestres anteriores, com destaque no 2T19 para dois empreendimentos no segmento econômico, mas as vendas vieram bem fortes, com alta de 7% em três meses e de 62% na comparação com o segundo trimestre do ano passado. Com isso, a companhia atingiu 75% do piso do guidance de lançamentos e 77% do de vendas brutas para o ano de 2019. O estoque da companhia continua muito baixo em relação à média do setor, representando menos de três trimestres de vendas, considerando as vendas do 2T19. Esperamos reação positiva do mercado.
   
Conselho aprova oferta primária do Banco Inter (BIDI11).
O banco quer vender ao menos 26 milhões de ações ON e 52 milhões de ações PN, ou seja, o equivalente a 26 milhões de units. Considerando o fechamento de ontem de BIDI4, a oferta poderia levantar R$ 1,06 bilhão, sem contar o lote suplementar de até 20%.

Venda da fatia da BB Seguridade (BBSE3) no IRB (IRBR3) saiu a R$ 88.
Após o processo de bookbuilding, a oferta foi precificada em R$ 88,00, o que representa o montante de R$ 4,2 bi para a seguradora, que calcula um ganho líquido de impostos de R$ 2,4 bi.

Alupar (ALUP11) realiza aquisição.
A APAETE, empresa em que a Alupar tem 25%, adquiriu 26,99% do capital social da Amazônia Eletronorte Transmissora de Energia - AETE, por R$ 46,5 milhões, 70% à vista e os restante em duas parcelas anuais. Com isso, a APAETE passou a deter 75,99% do capital social da companhia e a Alupar agora, indiretamente, possui 19,38% do negócio. Atualmente, a AETE possui uma linha de transmissão que liga Cuiabá a Rondonópolis, no Mato Grosso. A concessão do empreendimento vai até 2034 e a receita anual permitida é de R$ 53,2 milhões, com queda de 50% a partir de agosto de 2020 e reajuste anual pelo IGP-M.
   
Qualicorp (QUAL3) distribuirá capital.
O valor da distribuição é de R$ 980 milhões, algo em torno de 15% do valor de mercado total da empresa. Desta forma, o capital da companhia passará de R$ 1,866 bilhão para R$ 886,467 milhões. AGE foi agendada para o dia 5 de agosto para deliberar o tema.

Hapvida (HAPV3) faz mais uma aquisição.
Desta vez, a companhia adquiriu 75% do capital social da RN Saúde, por R$ 53 milhões. A RN Saúde é uma empresa especializada em assistência médica suplementar
com cerca de 50 mil vidas, com sede em Uberaba - MG, possuindo clínicas médicas próprias de especialidades. A receita líquida da companhia foi de aproximadamente R$ 123 milhões em 2018. A efetivação da operação estará sujeita a aprovação da ANS e do CADE.

 

       

  
  Bons negócios