Segunda-feira, 10 de junho de 2019

Bom dia,

  1

  1

Ruído político. A novidade do final de semana, com o vazamento das supostas conversas entre o atual Ministro da Justiça, Sérgio Moro, e integrantes da Lava Jato, deve ter algum impacto na abertura, hoje, apesar de parecer ter pouco efeito prático. O parecer do relator da reforma da previdência deve ser apresentado na quinta-feira. Ainda há a questão sobre os servidores municipais e estaduais, o que atrasou em alguns dias a entrega do parecer. Ou seja, nada de anormal em Brasília, com mais uma crise para o governo contornar, mas com a reforma avançando. Com o noticiário mais positivo lá fora, comentado mais abaixo, consideramos que uma realização mais forte seria uma oportunidade. O IPC-S, divulgado mais cedo, desacelerou para 0,12% essa semana, com o recuo no preço da gasolina tendo peso importante. No Focus, revisões para baixo nas projeções do PIB e do IPCA desse ano reforçam o cenário auspicioso para quem aposta em redução na Selic em breve.

 

Bolsas reagem à trégua comercial. O acordo entre México e Estados Unidos, assinado no final da última sexta-feira, onde o país latino-americano se propôs a reforçar a fiscalização contra o fluxo de imigrantes ilegais, em troca da suspensão de tarifas de importação, que entrariam em vigor nesta segunda-feira, trouxe ânimo ao mercado. As Bolsas responderam bem na Ásia, também à surpresa positiva com o volume de exportações da China em maio, ainda que as importações tenham caído, limitando a reação de Shanghai. As expectativas de queda dos juros na Europa e nos Estados Unidos também contribuem de forma positiva no desempenho dos ativos de renda variável hoje.

 

           

 

MME nega recurso à subsidiária da Eletrobras (ELET6). Não foi aceito pelo Ministério de Minas e Energia o recurso da Chesf contra a extinção de quatro contratos de concessão. Vale lembrar, que a caducidade dos contratos foi declarada em março deste ano, pela agência reguladora do setor, uma vez que as obras ainda não foram concluídas, e os empreendimentos, de transmissão, deveriam ter entrado em operação comercial em 2015. A notícia, contudo, não deve exercer influência significativa sobre os papéis da elétrica hoje, pois já era algo esperado.

Dividendo da Tenda (TEND3). A companhia vai pagar R$ 0,1226 por ação para os acionistas posicionados ao final do dia 12 de junho. Na quinta, os papéis da abrem ex-dividendos. Pagamento será no dia 25 desse mês e o yield, em relação ao fechamento de sexta, é 0,56%.

 



Bons negócios