Terça-feira, 4 de junho de 2019

Bom dia,

  1

  

  1

Boas novidades em âmbito político e mais preocupações no econômico. Ontem, no final do dia, o Senado aprovou a MP que combate às fraudes do INSS e tem potencial de gerar uma economia de até R$ 10 bilhões por ano, por 55 a 12 votos. David Alcolumbre ainda convocou reunião para amanhã, onde será votada a autorização de operações de créditos orçamentários de R$ 248,9 bilhões, conforme solicitado pelo governo, e foi colocada em regime de urgência a análise do Projeto de Lei que muda o marco legal do setor de Saneamento Básico. Todas as notícias corroboram a percepção de que há um clima mais harmonioso entre executivo e legislativo, sustentando o otimismo do mercado. Já do lado econômico, as novidades não trazem ânimo, pelo contrário, com a produção industrial avançando apenas 0,3% em abril contra março. No acumulado do ano o resultado é negativo em 2,7%. A inflação medida pelo IPC da Fipe, ao menos, trouxe um alento, com a queda no preço dos alimentos levando a uma deflação de 0,02% na última semana de maio.

 

Bolsas ensaiam recuperação lá fora. Após um pregão muito pressionado nessa segunda-feira, com destaque para as empresas de tecnologia, que estariam na mira da justiça americana por conta de práticas anticompetitivas, os futuros de NY apontam para uma abertura no azul. Ajudam na melhora do humor dos mercados as notícias envolvendo a disputa de Trump com o México. Além de oficiais dos dois países já estarem negociando um acordo, o The Washington Post noticiou na noite de ontem que o próprio partido Republicano estaria considerando bloquear as novas tarifas no Congresso, mostrando que o partido do presidente não está alinhado com essa nova empreitada de Trump. Na Europa, destaque para o CPI de maio, em forte queda, de 1,7% para 1,2%, deixando a inflação bem distante da meta do BCE, abrindo a porta para medidas de estímulo, em meio a uma atividade em forte desaceleração por lá. Na Ásia, o pregão ainda foi negativo, seguindo o que ocorreu ontem no ocidente. Mais tarde, no final da manhã, o mercado deve ficar atento ao discurso do chair do Fed, Jerome Powell, que pode dar mais sinais sobre o futuro dos juros nos EUA.

 

           

 

Via Varejo (VVAR3) cancela poison pill. A assembleia de ontem aprovou a retirada da cláusula do estatuto social da companhia. Isso tende a facilitar as negociações para a venda da fatia do GPA (36,27% do capital da companhia). O empresário Michael Klein, da família fundadora da Casas Bahia, continua no páreo, mas tudo indica que existirão outros interessados, tanto do mercado doméstico quanto do exterior. Acreditamos que as ações da Via Varejo devem performar positivamente no pregão de hoje.

Venda de controle da Braskem (BRKM5) é suspensa. As negociações entre a Odebrecht, atual controladora, e a holandesa LyondellBasell foram encerradas, segundo comunicado da própria companhia. Ainda há a possibilidade de, no futuro próximo, as tratativas serem retomadas, entretanto, por ora, o risco envolvendo a situação financeira da Odebrecht e as incertezas jurídicas relacionadas aos eventos geológicos em Alagoas preponderam. A novidade deve manter os papéis da companhia pressionados no curto prazo.

Minerva (BEEF3), Marfrig (MRFG3), JBS (JBSS3) e até a BRF (BRFS3) sofreram com a suspensão da exportação de carne bovina para China. A suspensão temporária se deu em função da confirmação de um caso de vaca louca no estado do Mato Grosso e tem como base o protocolo sanitário do Ministério da Agricultura de suspender as exportações caso surja algum problema do tipo. O bloqueio vale ao menos até que as inspeções do MAPA sejam realizadas. Desde 2015, o Brasil é classificado com status de livre de vaca louca, no entanto, doenças de forma espontânea e esporádica podem acontecer, como parece que foi o caso, devido à idade avançada da vaca. A Minerva, através de suas operações no Brasil, exporta para a China somente via unidade de Barretos-SP, com capacidade diária de abate de 840 cabeças. Já a maior parte das exportações sai de sua subsidiária Athena Foods, sendo 6,7 vezes mais representativa, contando com 4 plantas de abate no Uruguai e Argentina. A Marfrig tem nove plantas habilitadas para China, três no Brasil, representando apenas 0,9% do total de sua receita, com a exportação para China de plantas no Uruguai e na Argentina representando 2,1% do total. A China nos negócios da JBS representou 23,8% da receita total neste 1T19, sendo que as exportações saindo do Brasil, representam apenas 2%, com as 6 plantas habilitadas. A BRF, mesmo não tendo operações de carne bovina, acabou sofrendo em Bolsa com tal fechamento. Vale comentar, que todas as empresas conseguem atender a demanda da China com suas outras unidades habilitadas, com a representatividade das exportações para esse país saindo do Brasil não sendo tão relevante. Vale lembrar que o Brasil vem pleiteando a liberação de 20 plantas para exportação, por esse motivo que o MAPA decretou a suspensão das exportações para um melhor esclarecimento. Dessa forma, consideramos exageradas as quedas dos papéis.

Netshoes fará assembleia para votar a oferta da Magazine Luiza (MGLU3). A assembleia está marcada para o dia 14, onde os acionistas irão deliberar sobre a oferta da Magalu e ainda que o acordo tenha a preferência dos executivos da empresa, nada está fechado. O valor ofertado pela Magalu é de US$ 3,00 por ação, já a Centauro (CNTO3) ofertou US$ 3,50
.

 



Bons negócios