Quarta-feira, 3 de abril de 2019

Bom dia,

  1

  1

Guedes na CCJ. O mercado vai monitorar a audiência do principal ministro do governo Bolsonaro na comissão da Câmara para falar sobre a reforma da previdência. Ou seja, mais volatilidade espera o investidor no pregão de hoje. O evento se inicia no começo da tarde, às 14h. Além disso, segundo o Estadão, o governo está preparando um pacote de medidas, com foco na desburocratização em um primeiro momento, para ajudar a acelerar a recuperação da economia. Na agenda de indicadores, o IPC da Fipe de março ficou praticamente em linha com o reportado em fevereiro, com alimentos e combustíveis puxando o índice para cima, mas sem alterar o cenário de inflação controlada. Logo mais, na abertura do pregão, saem os PMIs de serviço e composto, da Markit.

 

Quarta movimentada lá fora. Os mercados respondem positivamente à última notícia relativa às negociações comerciais entre EUA e China, divulgada pelo Financial Times, de que um acordo estaria 90% fechado. Hoje, autoridades chinesas estão em Washington para iniciar uma nova rodada de negociações. Além disso, os PMIs de serviços e composto divulgados pela Markit mais cedo trouxeram algumas notícias positivas, como a recuperação na China em março e os dados europeus melhores que as prévias. Os PMIs dos EUA saem às 15 pras 11h. As vendas no varejo na zona do euro, divulgadas mais cedo, também superaram a expectativa do mercado, ajudando a traçar esse cenário positivo na manhã de hoje. Nos EUA, além dos PMIs, ainda teremos os dados da ADP de criação de vagas no setor privado, o índice ISM do setor de serviços, o dado semanal de estoque de petróleo e discursos de presidentes regionais do Fed, mas sem direito a voto nesse ano.

 

               

 

Cessão onerosa e venda da TAG colocam Petrobras (PETR4) em evidência. Segundo matéria do Valor, enfim o governo e a estatal chegaram a um acordo sobre a revisão do contrato de cessão onerosa, onde o montante a ser pago à estatal seria de aproximadamente US$ 10 bilhões, além dos outros US$ 9 bi que a empresa deve receber do vencedor do leilão da área, como compensação pelos investimentos realizados. Os termos do acordo devem ser encaminhados ao TCU ainda esta semana, segunda a notícia. Além disso, o mercado segue na expectativa sobre a venda da TAG que, segundo a Reuters, recebeu ao menos três propostas. A melhor oferta também deve ser divulgada ainda esta semana. Boas notícias para PETR4 e apesar dos papéis já terem reagido de forma positiva no final do pregão ontem, vislumbramos que as novidades vão continuar exercendo influência positiva ao longo do dia.

Intenção de oferta pública da CPFL Energia (CPFE3).
A elétrica formalizou a "intenção de realizar uma oferta pública subsequente de distribuição de ações" para se adequar às regras de free float do Novo Mercado. Atualmente esse percentual é de apenas 5,2%, bem abaixo do exigido. No mesmo sentido, a empresa solicitou à B3 a extensão do prazo, que se encerra em maio, para o cumprimento dessa regra. Os termos e condições da oferta ainda estão em análise, mas notícias dão conta de que a oferta será primária e secundária. As ações da CPFL tendem a reagir de forma negativa à novidade, tendo em vista que parte dos investidores vinha apostando na possibilidade de uma nova oferta pública de aquisição de ações, com preço superior aos R$ 27,69 ofertados pela State Grid, atual controladora, em novembro de 2017
.

 

 

Bons negócios.