Terça-feira, 2 de abril de 2019

Bom dia,

  1

  1

Produção industrial frustra expectativas em fevereiro. O dado divulgado pelo IBGE veio bem abaixo do esperado pelo mercado, avançando 0,7% na comparação mensal e 2,0% na anual. Além da pressão negativa da paralisação de parte da produção da Vale, setores como vestuário e produtos eletrônicos também mostraram retração no penúltimo mês. Sem novidades relevantes no tocante à tramitação da previdência e com um dia bem morno lá fora, o indicador aquém do esperado pode pressionar o índice na abertura por aqui.

 

Bolsas próximas da estabilidade em dia sem novidades lá fora. A agenda de indicadores está bem vazia nessa terça, apenas com a inflação ao produtor na zona do euro vindo um pouco abaixo do esperado e as encomendas de bens duráveis nos EUA que saem ainda antes da abertura, mas não deve ter um impacto muito relevante nos mercados. Fora da agenda, nenhuma novidade em relação às negociações entre EUA e China e o Brexit segue cercado de incertezas com o prazo para o divórcio se aproximando, o que indica que uma ruptura sem acordo está cada vez mais próxima, mas também deve ter impacto limitado nos mercados acionários ao redor do mundo.

 

               

 

Lucro da Cemig (CMIG4) avança. Em termos operacionais, entretanto, o resultado foi mais fraco neste 4T18, com o menor volume e preço de venda no mercado de curto prazo, além da alta nos dispêndios com pessoal e serviços. Soma-se a isso um efeito não recorrente que inflou os números do 4T17 e o EBITDA caiu 36% no período, com queda de quase 6 p.p. na margem. O resultado final, por outro lado, foi beneficiado pela melhora no resultado de equivalência patrimonial, pela venda dos ativos de telecom e pelo ganho em operações de hedge relacionadas a emissão de Eurobonds. Junto ao balanço, a companhia propôs a distribuição de dividendos no valor de R$ 0,4508 por ação para os acionistas posicionados no dia da AGO, em 30 de abril. Os papéis devem ficar ex no pregão seguinte, em 02 de maio, e o pagamento será realizado até o final do ano. O yield da operação é de 3,2%.

Ânima (ANIM3) divulga os resultados de captação de alunos.
Mesmo diante de um ambiente concorrencial e de reduzida participação de financiamento público, a companhia reportou crescimento de 9,8% na captação de alunos, neste primeiro semestre, representando 33,0 mil novos alunos de graduação, em relação ao mesmo período de 2018. Essa melhora reflete as oito unidades abertas, que foram responsáveis por 7,3% do total da captação em graduação. Adicionalmente, as três aquisições realizadas no ano passado (CESUC, em Catalão, Faculdade Jangada, em Jaraguá do Sul e FACED, em Divinópolis) também acabaram contribuindo com este processo. Dos 33,0 mil alunos captados da graduação, 27,5 mil (83,5%) são pagantes sem qualquer tipo de financiamento. Dos 5,4 mil alunos restantes, 1,6 mil (4,9%) ingressaram utilizando financiamento privado (Pravaler), enquanto 0,6 mil (1,7%) utilizaram FIES, e 3,3 mil (9,9%) vieram através do ProUni.

Guararapes (GUAR3) vence disputa para excluir ICMS de sua base de cálculo do PIS e COFINS.
O valor do pedido de habilitação de crédito tributário de sua controlada Lojas Riachuelo é de R$ 1,173 bilhão. Desta forma, acreditamos que seu resultado virá positivo já no 1T19. A empresa já havia sido impactada positivamente no quarto trimestre do ano passado por outros créditos fiscais.


OPA da Multiplus (MPLU3) movimenta R$ 1,023 bi. Com isso, as ações que continuam em circulação representam apenas 3,65% do total e a companhia dará prosseguimento ao processo de fechamento de capital. Quem, por algum motivo, não vendeu as ações no leilão, pode fazê-lo pelo prazo de três meses nas mesmas condições da OPA.

Odontoprev (ODPV3) distribuirá dividendos. O valor dos dividendos é de R$ 0,05231 por ação, com os papéis ficando ex-dividendos nessa sexta-feira. O pagamento está agendado para o dia 03 de maio. Yield da operação é de 0,31%.

Bradespar (BRAP4) propõe proventos.
Em assembleia no próximo dia 30/04, será avaliada a proposta de distribuição de dividendos e JCP no montante total líquido de R$ 0,5249 por ação preferencial e R$ 0,4771 para as ON. O yield é de aproximadamente 1,6% para ambas as classes e o pagamento deve ser realizado em maio, no dia 15. Os acionistas posicionados ao final do dia da assembleia terão direito aos proventos. Ou seja, em 02 de maio os papéis já acordam ex.

BRF (BRFS3) tem rating rebaixado pela Fitch.
A agência de classificação retirou o grau de investimento da BRF, ao rebaixar o rating de longo prazo e em moeda estrangeira, para BB ante BBB-. Segundo a Fitch, o rebaixamento reflete um resultado operacional mais fraco e a alta alavancagem da empresa, mostrando uma redução bem mais lenta do que o esperado
.

 

 

Bons negócios.