Terça-feira, 25 de setembro de 2018

 
 

Bom dia,


Mesmo com agenda cheia de indicadores, o mercado foca na pesquisa do Ibope. Começando com os indicadores divulgados na manhã de hoje, tivemos o IPC-Fipe que acabou acelerando na 3ª quadrissemana de setembro, ao registrar crescimento de 0,36%, depois de ter subido 0,30% na última divulgação. O INCC-M subiu 0,17% em setembro, abaixo do resultado do mês anterior, que foi de 0,30%, refletindo a desaceleração nos preços de materiais e equipamentos. Para fechar os indicadores do dia, o índice de confiança da construção veio melhor em setembro. Agora passando para as principal preocupação do mercado, a última pesquisa Ibope traz Bolsonaro liderando as intenções de voto, mas estagnado em 28%, Haddad aparece ganhando pontos, de 19% para 22%. Ciro Gomes continua com 11% enquanto Geraldo Alckmin teve oscilação positiva de 7% para 8%. Mas, o que pode levar o IBOV para o campo negativo são as simulações de segundo turno, com Bolsonaro atrás de Haddad.

a

FOMC e política no radar norte-americano. Na expectativa da decisão do FOMC sobre a taxa de juros, que ocorrerá amanhã, os investidores seguem atentos ao noticiário político nesta terça-feira, após rumores de que o procurador da república pode pedir demissão e diante da postergação das negociações comerciais com a China. Em termos de agenda, destaque para a sondagem industrial do Fed de Richmond e para confiança do consumidor em setembro, que devem desacelerar frente à última leitura. Já o índice de preços residenciais deve manter o ritmo anterior, ao avançar algo em torno de 0,2%.

Bolsas em leve alta. Sem grandes novidades no campo político em relação às disputas comerciais especialmente envolvendo EUA e China e sem indicadores relevantes lá fora, as principais Bolsas operam no campo positivo, mas sem grande força. Destoam desse movimento as Bolsas chinesas que voltaram do feriado mais pressionadas e fecharam no campo negativo. Por aqui, a Bolsa deve responder principalmente à pesquisa Ibope comentada acima, que mostrou fortalecimento da candidatura petista, mesmo em um eventual segundo turno.

 
  

Produção da Petrobras (PETR4) recua. Em agosto, a produção total de petróleo e gás da companhia foi de 2,47 milhões de barris de óleo equivalente por dia, o que representa uma retração de 5,1% frente ao mês anterior e de 9,1% em doze meses. Esse desempenho reflete principalmente a concentração de paradas programas para manutenção no período, que atingiu tanto as operações no pré-sal quanto no pós-sal. De toda forma, a companhia manteve a meta de produção (2,7 milhões de barris/dia), tendo em vista o ramp-up de algumas plataformas e a entrada em operação de novos sistemas ao longo do último trimestre do ano. Além disso, nesta manhã, no radar da petroleira, também há a assinatura de um aditivo ao acordo de acionistas firmado junto a Odebrecht, que inclui as ações preferenciais da Braskem (BRKM5) detidas pela Petrobras na sistemática do direito de tag along. Contudo, às novidades devem ficar em segundo plano, pois as ações da estatal devem continuar voláteis, respondendo principalmente ao noticiário político.

Vendas da Energisa (ENGI11) avançam. Em agosto, o consumo de energia elétrica no mercado cativo e livre do grupo Energisa subiu 2,7%, frente ao mesmo período do ano anterior, sobretudo pela recuperação da demanda da classe industrial e no Norte e Nordeste do país. Já no acumulado dos oito primeiros meses, a alta é de 3,3%, com destaque para a Energisa Mato Grosso do Sul e Energisa Tocantins. A divulgação deve exercer influência apenas marginalmente positiva sobre as ações da elétrica hoje.

JHSF (JHSF3) lança e-commerce integrado ao estoque de lojas do Shopping Cidade Jardim. Não são todas as lojas do shopping que foram incluídas na plataforma que vai oferecer garantia de troca de produtos nas lojas físicas participantes no shopping, serviço click & collect, onde o cliente compra pelo site e retira na loja, além de entrega no mesmo dia para a cidade de SP. Difícil ainda mensurar o impacto disso para a companhia, mas vemos com bons olhos a iniciativa.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios