Terça-feira, 23 de outubro de 2018

 
 

Bom dia,


Índice de inflação em alta. O IPCA-15 apresentou variação de 0,58% em outubro, 0,49 p.p. acima da taxa de setembro, com alimentos e transportes contribuindo para esse resultado. Mesmo com essa aceleração, a estimava de mercado apontava uma alta ainda mais contundente. A variação acumulada no ano é de 3,83% e em doze meses de 4,53%. Outro índice de inflação que também apresentou elevação foi o IPC-S que subiu 0,54% na terceira quadrissemana de outubro. Novamente, o preço dos alimentos foi o vilão. Hoje à noite, ainda teremos a divulgação de pesquisa de intenção de voto para presidente do Ibope.

a

Fed em destaque. Nesta terça-feira, a agenda norte-americana conta com o discursos de diversos representantes regionais do Fed, com destaque para Raphael Bostic e Esther George, que possuem direito a voto no comitê de política monetária deste e do próximo ano, respectivamente. Além disso, o Fed de Richmond deve divulgar a sondagem industrial de outubro, cuja expectativa é de arrefecimento frente a leitura imediatamente anterior.

Bolsas pressionadas. Na Ásia, o dia foi de realização após a forte alta de ontem quando os mercados repercutiram notícias sobre medidas de estímulos que devem ser implementadas pelo governo chinês. Hoje, declarações de oficiais chineses reacenderam o sinal de alerta do mercado quanto à possível intensificação das tensões comerciais entre China e EUA. Na Europa, a questão do orçamento italiano segue no radar, mas sem indicações de que o governo local venha a revisar o déficit estimado em 2,4% do PIB para o próximo ano, o que poderia gerar punição por parte da União Europeia trazendo mais incerteza sobre a posição da Itália no bloco. Nos EUA, como comentamos, a enxurrada de discursos de representantes do Fed deve manter a política monetária no centro das atenções do mercado. Alguns resultados corporativos abaixo do esperado ajudam a puxar os futuros americanos para o vermelho.

 


CCP (CCPR3) vai pagar dividendo polpudo. A companhia vai distribuir R$ 120 milhões, o equivalente a R$ 1,002 por ação para os acionistas posicionados ao final do pregão de amanhã. Na quinta, dia 25, os papéis já acordam ex-dividendos. O yield é de impressionantes 10,5% e o pagamento será já no próximo dia 7 de novembro.

Valid (VLID3) adquire agritech. A companhia anunciou a aquisição de 51,8% da Agrotopus, que é uma startup voltada para soluções tecnológicas para o agronegócio. O valor da transação é pequeno, de R$ 6,5 milhões. A Valid estima que a Agrotopus possa representar 4% da receita da companhia em quatro anos. Os clientes atuais da companhia são cooperativas de café. Consideramos a aquisição interessante pensando no longo prazo, mas deve ter pouco impacto nos papéis da companhia no futuro próximo.

A Marfrig (MRFG3) anuncia que venda da Keystone Foods foi aprovada no Japão. A venda da Keystone foi aprovada pelo órgão regulador da concorrência do país, faltando agora as aprovações na China e Coréia do Sul. 

Marisa (AMAR3) inicia sua transformação digital. A companhia comunicou ao mercado que está lançando um projeto multicanal, para integrar os seus canais de venda online e offline. Iniciando com a implementação em 10 lojas da rede do serviço “click and collect” para compras feitas na loja virtual. A companhia espera que todas as suas lojas estejam com esse serviço até o final de 2019. Notícia positiva, mas que não refletirá fortemente em suas ações, pela demora na implementação levando em consideração que seus principais concorrentes já oferecem o serviço.

Light (LIGT3) propõe mudanças no estatuto.
Na assembleia do próximo dia 22 de novembro, os acionistas devem avaliar algumas mudanças no estatuto social da elétrica, a fim de viabilizar uma eventual pulverização do controle. O principal item da pauta será a autorização para aumento do capital. A expectativa é que essas alterações propiciem a realização de uma oferta primária de ações, com parcela secundária e ancoragem por fundos de investimentos liderados pela GP.

AGENDA DE DIVIDENDOS



AGENDA DE RESULTADOS



Bons negócios