Sexta-feira, 23 de novembro de 2018

 
 

Bom dia,


Nomeações para o novo governo movimentam o mercado. Entre os indicadores, a queda no preço dos combustíveis é o destaque, com o IPCA-15 de novembro ficando em 0,19%, 0,39 p.p. abaixo da taxa de outubro. A variação acumulada no ano é de 4,03% e nos últimos doze meses de 4,39%, voltando para baixo do centro da meta. Também o IPC-S acabou cedendo para 0,05%. Já a confiança da indústria subiu 0,6 ponto para 94,7 em novembro. Mas o que realmente deve ditar o humor do mercado são as nomeações da equipe econômica do novo governo, alguns nomes divulgados de ontem para hoje sendo bem recebidos, como o caso de Rubem Novaes para a presidência do BB (comentamos mais abaixo) e de Pedro Guimarães no comando da Caixa.

a

Atividade desacelera na Europa. Além da revisão do PIB alemão, que confirmou o resultado anterior de queda de 0,2%, o Markit divulgou as prévias dos PMIs da região com números aquém do esperado. Na zona do euro, tanto o PMI industrial quanto o de serviços desaceleraram mais que o esperado pelo mercado em novembro, dessa forma, o índice composto atingiu a mínima de quase quatro anos. O mesmo ocorreu na Alemanha, onde os índices também frustraram a mediana de mercado. Mais tarde saem os dados referentes aos EUA, cuja expectativa de mercado é de uma ligeira aceleração frente à outubro.
   
Bolsas pressionadas. As Bolsas chinesas fecharam no campo negativo, em dia de feriado no Japão. Na Europa, o dia é de pouca oscilação nas Bolsas, com quase todas perto da estabilidade, enquanto os futuros norte americanos apontam para um pregão no vermelho, lembrando que por lá teremos apenas meio pregão, com expectativa de liquidez bem reduzida, nessa Black Friday. O destaque lá fora segue sendo a desaceleração do crescimento mundial, reforçado pelos dados europeus muito aquém do esperado, que pressiona a cotação das principais commodities. O petróleo segue se desvalorizando bastante também com a expectativa de uma oferta ainda forte no próximo ano.

 

Novo presidente do BB (BBAS3). O banco emitiu fato relevante, na noite de ontem, confirmando a indicação de Rubem Novaes para o cargo, pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, nome que ainda terá de ser confirmado pelo presidente eleito Bolsonaro. O futuro presidente do banco deu entrevistas, ontem, indicando que deve ocorrer o spinoff de algumas áreas do banco e futuramente, o IPO dessas áreas. A notícia, no entanto, foi adiantada no meio do pregão de ontem por alguns veículos, o que antecipou parte do efeito positivo da indicação de um nome com viés liberal para o banco.

Guararapes (GUAR4) quer criar um banco múltiplo. A companhia anunciou que pretende transformar a Financeira Midway em um banco múltiplo. O pedido já foi feito ao Banco Central. Segundo a empresa, o objetivo dessa iniciativa é melhor servir e atender os clientes, de forma abrangente, através de uma ampla plataforma digital. Hoje a Financeira Midway é responsável pela gestão dos cartões Riachuelo e de outros serviços financeiros prestados aos clientes da Guararapes, sendo a segunda maior representatividade no faturamento total do grupo, atrás somente do varejo de mercadorias, a frente da área de properties, por exemplo.

Minerva (BEEF3) protocola pedido no Chile. A companhia protocolou o pedido de registro de sua subsidiária Athena Foods na "CVM" chilena, passo para o IPO da empresa. Segundo a Minerva, o IPO poderá arrecadar até R$ 1,5 bilhão. Atualmente, a Athena, que reúne as operações da Minerva no exterior, com abatedouros na Argentina, Paraguai, Uruguai e Colômbia, responde por 40% do faturamento total.

Venda de distribuidora da Eletrobras (ELET6) é adiada. O leilão para venda da Amazonas Distribuidora de Energia, que estava previsto para o próximo dia 27, foi adiado para o dia 10 de dezembro, às 17h. A entrega dos documentos deve ser realizada até 06/12. A novidade não deve ditar o rumo dos papéis da companhia, tendo em vista que a incerterza quanto ao sucesso desse leilão ainda é grande. Ademais, segundo noticiário dessa manhã, Wilson Ferreira Jr. pode continuar a frente da estatal no governo Bolsonaro. Se confirmada, essa notícia deve influenciar positivamente suas ações.

JCP de brMalls (BRML3). A companhia vai pagar R$ 0,0706 (valor já líquido de IR) por ação aos investidores posicionados ao final do dia 26 de novembro, próxima segunda, ficando ex na terça. O pagamento é em 7 de dezembro e o yield é de 0,6%.

Saraiva (SLED4) pede recuperação judicial. A fim de reorganizar as obrigações junto a seus credores, a companhia optou pelo pedido de recuperação judicial. Desde o início deste ano a companhia vem propondo, sem sucesso, a renegociação de seu passivo com fornecedores. O total de débitos informado no pedido de Recuperação Judicial soma, aproximadamente, R$ 675 milhões. Segundo a empresa, essa iniciativa não altera o funcionamento do varejo, que segue com 85 lojas físicas em todo o Brasil e com sua operação de e-commerce.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios