Quinta-feira, 20 de setembro de 2018

 
 

Bom dia,


Sinalização do Copom e pesquisa eleitoral no radar. Com uma agenda de indicadores bem fraca hoje, os mercados devem repercutir a sinalização de que a manutenção da taxa básica de juros pode chegar ao fim, em caso de deterioração no cenário macro, e os números do Datafolha para presidente. Houve piora para o cenário de inflação, mostrada na última projeção do BC, com o IPCA projetado para esse ano subindo para 4,4%, ante os 4,2% anteriormente previstos pelo banco e para o próximo ano passou para 4,5%, contra 4,1%. Além disso, houve uma piora expressiva no campo externo, em especial para as economias emergentes, e a escalada do dólar continua preocupando. Não houve comentários sobre o campo político, lembrando que a próxima reunião do Copom se dará três dias após um possível segundo turno. Na pesquisa do Datafolha, o cenário se mostrou mais incerto que na do Ibope. Bolsonaro também subiu ainda mais na liderança, mas a escalada de Haddad mostrou menos ímpeto nessa pesquisa, ele está tecnicamente empatado com Ciro, que ficou estável ao invés de cair como no Ibope, assim como Alckmin, que estacionou nos 9%. Já Marina segue em queda, na quinta colocação.

a

Bolsas próximas da estabilidade. Lá fora, a agenda macro reserva apenas indicadores menos relevantes, como o dado semanal de pedidos de auxílio desemprego, divulgado pelo departamento do trabalho americano, e os indicadores antecedentes de agosto, também nos EUA, em levantamento do Conference Board. Com isso, as principais Bolsas operam (ou já fecharam no caso das asiáticas) próximas da estabilidade. O principal destaque lá fora hoje são sinalizações mais conciliatórias a respeito do Brexit e a possibilidade da China responder à guerra comercial americana cortando tarifas para outros parceiros comerciais.

 
  

Ser (SEER3) encerra negociações com a Unigranrio. A companhia informou que encerrou as negociações com os representantes da Unigranrio, uma vez que as partes não conseguiram chegar a um consenso para firmar o contrato de compra e venda.

Oi (OIBR4) obtêm anuência da Anatel. A agência reguladora validou a anuência prévia concedida pelo conselho diretor da Anatel, para posse dos membros do novo conselho de administração da companhia, eleitos no último dia 17/09. Essa etapa é importante porque "garante estabilidade ao processo de Recuperação Judicial e à própria Companhia para executar o turnaround em andamento, visando ao crescimento sustentável do negócio, após o equacionamento da dívida financeira, que foi reduzida de R$ 45 bilhões para R$ 14 bilhões", como ressalta a própria operadora. Contudo, seus papéis devem seguir voláteis, e a novidade deve exercer influência apenas marginalmente positiva sobre suas ações.

CSN (CSNA3) realiza acordo para manter operação em Volta Redonda. As tratativas entre a companhia e o Estado do Rio de Janeiro foram concluídas, por meio da celebração de um termo de ajustamento de conduta, garantindo, portanto, o pleno funcionamento das operações da Usina Presidente Vargas, localizada em Volta Redonda - RJ. O acordo assinado pela siderúrgica contempla investimentos de cerca de R$ 303 milhões até agosto de 2024, destinados a projetos e ações ambientais na região. Suas ações devem responder de forma marginalmente positiva à divulgação.

Leilão de subsidiária da Eletrobras (ELET6) é adiado. O leilão da Amazonas Distribuidora de Energia, que estava previsto para o próximo dia 26, foi adiado para o dia 25 de outubro pelo BNDES. Com isso o cronograma das atividades subsequentes também foi alterado, com a data limite para assinatura do contrato de compra e venda passando a ser em 14 de janeiro de 2019. Contudo, caso haja vencedor e seja necessário celebrar o contrato no próximo ano, a Eletrobras terá que realizar uma nova assembleia de acionistas, até 28 de dezembro de 2018, para prorrogar o prazo estabelecido anteriormente para transferência do controle de suas subsidiárias. Além disso, a elétrica informou que o leilão da Companhia Energética de Alagoas segue suspenso por questões judiciais e, portanto, uma nova data só será definida quando não houver impedimentos legais. A divulgação deve manter seus papéis pressionados ao longo do pregão hoje.

Copasa (CSMG3) distribuirá proventos. Será distribuído JCP no valor líquido de R$ 0,3668 por ação, o equivalente a um yield de 0,9% sobre a última cotação. Os papéis ficarão ex na próxima terça-feira (25/09) e o pagamento deve ocorrer em até 60 dias.

Unidas (LCAM3) e Cielo (CIEL3) anunciam JCP. O montante líquido da locadora de carros é de R$ 0,1835 por ação. Yield de apenas 0,66%. Papéis ficam ex no dia 25, terça-feira, e o pagamento será em 5 de outubro. Já a Cielo vai distribuir R$ 0,0477 por ação, valor também já líquido de IR. O yield é ainda menor, de 0,35%. Nesse caso, papéis ficam ex no dia 28 de setembro e o pagamento será em 11 de março do ano que vem.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios