Segunda-Feira, 20 de março de 2017

 
 

Bom dia,


1Projeções para inflação continuam desacelerando. Hoje cedo saiu mais um boletim Focus, do Banco Central (BC), onde o destaque ficou para o arrefecimento geral nos índices de variação de preços para este ano. A mediana das projeções de mercado chegou agora a 4,15% para o IPCA, ficando confortavelmente abaixo da meta de 4,5% do BC, enquanto que o IGP-M, o IGP-DI e o IPC-FIPE também desaceleraram a alta prevista para 2017 e também estão bem contidos ao redor da meta inflacionária anual. No mais, a previsão para os juros, o câmbio e o PIB (tanto para 2017, quanto para 2018) se mantiveram praticamente estáveis em relação aos dados oficiais da semana passada.

a
Agenda fraca no exterior. A segunda-feira que marca o início do outono por aqui não tem indicadores muito relevantes na agenda. Na Europa, saíram dados secundários da Eurostat sobre o mercado de trabalho, como custo do trabalho na zona do euro, que subiu 1,6% no 4T16, e o indicador de vagas disponíveis, que ficou em 1,7% também no fechamento do 4T16, que não trazem grande impacto para os mercados hoje. Nos EUA, teremos agora pela manhã o índice de atividade medido pelo FED de Chicago, com discurso do respectivo presidente regional no começo da tarde, que nesse ano tem direito a voto no FOMC. Mas, após o comunicado pós-subida de juros por lá trazer a mensagem clara de gradualismo, o discurso do presidente do FED de Chicago tem pouco potencial para grande impacto nas Bolsas hoje.

Bolsas tendendo ao vermelho nessa segunda. As Bolsas europeias abriram em queda hoje em decorrência principalmente da leitura feita do comunicado da reunião do G20, que retirou do texto as partes contrárias ao protecionismo. Especialistas creditam as mudanças à pressão do novo governo norte-americano, o que azedou os ânimos dos mercados nessa segunda, na expectativa de aumento das barreiras comerciais na economia americana no decorrer do mandato de Trump. As Bolsas de Hong Kong e Shanghai fogem dessa dinâmica baixista por conta do noticiário corporativo local. A Bolsa de Tóquio ficou fechada com o feriado japonês que marca o início da primavera por lá. Por aqui, além da repercussão negativa do comunicado do G20, a Bolsa deve reagir a desdobramentos da operação “Carne Fraca”.

 
a
Petrobras (PETR4) aumenta preço do GLP. A estatal anunciou o aumento de 9,8% no preço do gás liquefeito de petróleo para uso residencial, vendido em botijões de até 13 kg. Esse reajuste deve ser aplicado sobre os valores praticados pela companhia sem a incidência de tributos, e não se aplica ao GLP destinado a uso industrial. O movimento está alinhado com as novas práticas adotadas pela companhia, que visam equipar os preços praticados no mercado doméstico aos do mercado internacional. Todavia, a influência dessa notícia sobre seus papéis deve ser apenas marginalmente positiva.

Menor disponibilidade de crédito afeta resultado da Kepler Weber (KEPL3). Seguindo a mesma tônica dos números apresentados no início de 2016, o 4T16 foi de expressiva retração nas principais linhas do resultado. Questões como a menor disponibilidade de créditos federais e maior taxa de juros para investimento em armazenagem, via PCA - Plano de Construção e Ampliação de Armazéns, e a seca que prejudicou a safrinha de 2016 no centro-oeste do país resultaram em forte retração da demanda no mercado doméstico. Com isso o faturamento da companhia recuou 32,8% na comparação com o 4T15, enquanto que a menor diluição dos custos fixos, a reoneração da folha de pagamento e fatores não recorrentes, ligados a provisão para o pagamento de garantias complementares, levaram o EBITDA para o campo negativo nesse trimestre. Nem a expressiva melhora no resultado financeiro foi suficiente para evitar a reversão do lucro líquido registrado doze meses atrás para um prejuízo de R$ 11,2 milhões no derradeiro trimestre de 2016 e de R$ 22,1 milhões no consolidado do ano. Como esses números fracos já eram amplamente esperados, o impacto sobre seus papéis deve ser marginalmente negativo no pregão de hoje.

Copasa (CSMG3) anuncia distribuição de JCP. A companhia vai distribuir R$ 31,9 milhões em JCP, o equivalente ao valor líquido de R$ 0,2148 por ação e a um yield de aproximadamente 0,5%. Os papéis passam a ser negociados como ex- proventos na próxima quinta-feira (23/03) e o pagamento deve ocorrer em até 60 dias.

JBS (JBSS3) e BRF (BRFS3) cancelaram o churrasco do final de semana. A Operação Carne Fraca, deflagrada na sexta-feira (17/03), mostrou que alguns frigoríficos no Brasil estavam adulterando carnes vendidas tanto no país quanto no exterior, liberadas por meio de pagamento de propinas para fiscais agropecuários e agentes sanitários do Ministério da Agricultura. Em alguns casos, carnes estragadas eram “maquiadas” pelas empresas. Mesmo que o governo tenha sido ágil na resposta à crise, levando vários representantes das empresas denunciadas e embaixadores de várias partes do mundo à uma churrascaria de Brasília para tentar conter os estragos da operação, a credibilidade e a transparência das marcas já foram afetadas tanto internamente quanto no exterior. A Coreia do Sul (mais de 80% das 107.400 toneladas de frango importadas pela Coreia do Sul, no ano passado, saíram do Brasil, sendo quase metade fornecida pela BRF) já cancelou todos os contratos com o Brasil e os governos da UE, China e EUA já pediram explicações imediatas. Na China, mais de 70% das aves consumidas saem do Brasil. Vale lembrar que, dos 5.000 frigoríficos brasileiros, somente 21 frigoríficos estão sob a investigação, sendo que seis deles tiveram seus produtos exportados. Agora o governo quer saber quais países receberam e se os produtos foram maquiados. O Brasil é o maior fornecedor mundial de proteínas animais, detendo aproximadamente 40% do mercado da carne de frango, 20% do mercado de carne bovina e 9% do mercado de carne suína. Hoje representantes da indústria e as associações, Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que responde pelas indústrias avícolas e de suínos, e a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a frente da de bovinos, dão entrevista às 11h. Estrago já feito. Acreditamos que as imagens dos frigoríficos ainda serão afetadas tanto internamente quanto no exterior. A onda de postagens de consumidores indignados nas redes sociais mostra o tamanho do estrago. Fora isso, o Brasil já estava conseguindo a liberação de países mais rigorosos quanto a importação de carnes in natura, o que certamente será impactado. Vale comentar, que os EUA, a Ásia e a Europa estão tendo problemas de gripe aviária em seus países, sendo um bom momento para o Brasil conseguir exportar seus produtos, mas, agora com a deflagração da Operação Carne Fraca, esse panorama muda completamente. Sendo assim, acreditamos que as ações de empresas de frigoríficos, principalmente da JBS e da BRF continuarão performando negativamente. Além disso, isso deve dificultar a JBS no processo de abertura de capital da JBS Foods International, na Bolsa de Nova York.

Faturamento da Randon (RAPT4) segue em queda. A companhia anunciou que a receita líquida consolidada de fevereiro recuou 23,3% ante a registrada doze meses atrás. Com isso no acumulado do primeiro bimestre do ano a retração já chega a 27,6%. Esse desempenho reforça nossa percepção de que os números da companhia vão continuar fracos ao longo desse ano, pois apesar da recente melhora vista em termos de confiança e expectativas, leva um certo tempo até que isso se traduza em recuperação efetiva no nível de demanda e investimentos. A Randon divulga seus números do 4T16 na próxima sexta-feira (24/03) antes da abertura do mercado, sendo que estimativas apontam para nova retração em termos de receita, margem e EBITDA, além de prejuízo no consolidado do ano.

Locamerica (LCAM3) obtém aprovação de aquisição pelo CADE e anuncia fusão com Auto Ricci. Duas boas notícias que movimentarão os papéis LCAM3 em bolsa no curto prazo. Em out/16, a Locamerica voltou às compras ao adquirir mais de 2 mil veículos e seus contratos de locação em vigência da empresa Panda de Itu Veículos Ltda. pelo valor de R$ 47,7 milhões. A Locamerica contava em set/16 com uma frota operacional de mais de 26 mil veículos, portanto, a operação representará um aumento de 7,7% na frota da companhia e, o mais importante do para os acionistas, o valor médio por carro da Locamerica estava em R$ 34,2 mil e, nesta transação, a companhia adquiriu a carteira de veículos da Panda de Itu pelo valor médio de R$ 23,6 mil/carro, representado um elevado deságio (mais de 30%). Essa operação foi aprovada sem nenhuma restrição pelo CADE e deverá agregar bastante valor aos resultados da Locamerica. Nesse mesmo sentido, a companhia anunciou uma nova transação de mercado, só que de porte bem superior: a combinação de negócios com a Auto Ricci S.A., mediante a aquisição de 33,7% do capital da empresa por R$ 53,9 milhões, bem como a imediata incorporação do restante das ações de emissão da Ricci, sendo que a relação de troca foi estabelecida em um ação LCAM3 substituirá 1,91 ação da Ricci no âmbito da incorporação. Deste modo, a Locamerica emitirá 17.393.816 novas ações, representando 26,73% do seu capital social atual. Após a conclusão da operação, os acionistas da Ricci terão, em conjunto, uma participação acionária de, aproximadamente, 21,1% na Locamerica. Em dados ainda não auditados, o valor econômico da Ricci foi avaliado em 9,4 vezes o lucro líquido ajustado de 2016, enquanto que o P/L dos ativos LCAM3 está ao redor de 13,0x. A título de informação, a Ricci também atua somente no segmento de terceirização de frotas e possui uma frota total em torno de 15,7 mil veículos, seis lojas próprias de seminovos e presença em dez estados do Brasil. Consideramos os dois movimentos de consolidação de mercado positivo para os investidores da Locamerica e, posteriormente, publicaremos um relatório especial para analisar o impacto dessa incorporação em nosso modelo de valuation para as ações LCAM3.

Cosan Logística (RLOG3) fará aumento de capital privado. Nos termos do acordo de acionistas entre a companhia e os fundos TPG e GIF, a empresa fará a emissão de ações em decorrência do direito de substituição exercido pelo TPG. O fundo alienará 1.351.115 ações detidas na Rumo (RAIL3) pelo valor próximo de R$ 7,54/ação (abaixo dos R$ 9,00 cotados no fechamento do pregão de 17/mar/17) e terá R$ 10,2 milhões de crédito a integralizar na operação com as ações da Cosan Logística (RLOG3). Fazendo um rápido exercício considerando a cotação de RLOG3 de sexta-feira, o fundo passará a deter 1.425.411 ações da controladora da Rumo, mas representando menos do que 1% de seu capital social. Essa transação deverá movimentar os papéis RLOG3 e RUMO3 no pregão de hoje.

Resultados e multas à Eternit (ETER3) preocupam. A companhia reportou, neste 4T16, queda de 20,9% em sua receita líquida consolidada, se comparada ao 4T15, principalmente em função de menores volumes de vendas devido à desaceleração do setor e maior comercialização de um mix popular, enquanto o desempenho no mercado externo foi impactado pela redução do preço em dólar para fazer frente à forte concorrência, além da depreciação de 14,3% do dólar frente ao real. O EBITDA ajustado no 4T16 teve retração de 14,0% quando comparado ao 4T15, devido ao menor volume de vendas nos segmentos de atuação, baixa utilização da capacidade industrial e redução das margens operacionais decorrente da comercialização de um mix com menor valor agregado. Como consequência, a Eternit registrou prejuízo líquido de R$ 29,6 milhões. Além do fraco desempenho reportado pela empresa, a multa no valor R$ 85 milhões a título de danos morais coletivos e a obrigatoriedade da substituição da matéria prima dentro do prazo de noventa dias (a empresa recorrerá das decisões), podem continuar afetando o seu desempenho em bolsa.

TIM (TIMP3) propõe pagamento de R$ 148,6 milhões em dividendos. A operadora de telefonia divulgou a proposta para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) dos acionistas que será realizada em 19/abr/17. Pela proposta da administração, que precisa ser aprovada em AGO, a companhia pagará até 19/jun/17 cerca de R$ 148,6 milhões, aproximadamente R$ 0,06 por ação, na forma de dividendos aos seus acionistas, o que diante da cotação de 17/mar/17 corresponde a um dividend yield de 0,6%.

TOTVS (TOTS3) também divulgou o manual da AGO. Para a Assembleia Geral Ordinária (AGO) dos acionistas que será realizada em 20/abr/17, a administração da companhia desenvolvedora de softwares propôs o orçamento de capital de R$ 57,0 milhões para 2017, sendo que R$ 54,2 milhões desses recursos já viram da reserva de lucros do exercício de 2016 o que, consequentemente, não implicará em aumento do seu endividamento para financiar seus projetos de investimentos para este ano. No que se refere aos proventos aos acionistas, a empresa não fará distribuição adicional referente ao ano passado que totalizou um pay out de 60%, em linha com nossas projeções.

AGENDA DE DIVIDENDOS


AGENDA DE RESULTADOS


Bons negócios.