Quarta-feira, 17 de outubro de 2018

 
 

Bom dia,


Inflação em alta e prévia do PIB mostrando crescimento. O índice de preços ao consumidor de São Paulo registrou avanço de 0,52% na segunda quadrissemana de outubro, depois de ter subido 0,43% na primeira leitura do mês, puxado por transporte e alimentação. O IGP-10 também apresentou avanço, variando 1,43% em outubro, contra avanço de 1,20% registrado em setembro. Com este resultado, o índice acumula alta de 9,44% no ano e de 10,69% em 12 meses. Já o IBC-Br, indicador de atividade do Banco Central, mostrou crescimento de 0,47% em agosto se comparado a julho. Na comparação com o mesmo período do ano passado, o índice apresentou alta de 2,5% e no acumulado em 12 meses registra crescimento de 1,5%, em linha com o esperado pelo mercado. 

a

Inflação tem leve alta na zona do euro. O CPI da zona do euro apresentou elevação de 2,1% em setembro na comparação anual, após alta de 2% em agosto. O índice foi puxado pelos preços de energia e se manteve acima da meta do BCE. O núcleo do CPI europeu, no entanto, segue comportado. No Reino Unido, o CPI desacelerou para 2,2%.

Bolsas sinalizam realização após alta de ontem. Na Europa, as Bolsas operam majoritariamente no vermelho, mesma direção da maior parte dos futuros americanos, após um pregão de forte alta, ontem, motivada pelos bons resultados que abriram a temporada de balanços. O destaque hoje lá fora é a Netflix, cujo bom resultado faz o índice futuro da Nasdaq sinalizar um pregão positivo, na contramão dos demais índices americanos. Na Ásia, as Bolsas responderam com delay ao otimismo ocidental de ontem. Um dos motivos da realização de hoje é a expectativa quanto a ata da última reunião do FOMC, que será divulgada no meio da tarde. Outro destaque da agenda americana é o dado sobre novas construções residenciais, importante termômetro do setor.

 


Eztec (EZTC3) e Cyrela (CYRE3) divulgam prévias melhoras. A recuperação do mercado, no entanto, continua bem lenta e os números vão mostrando avanço bem paulatino. As duas incorporadoras voltadas para média e alta renda mostraram evolução nas vendas e a Eztec que também abriu os números relativos a distratos, melhorou nesse indicador. No caso da Cyrela, a boa performance veio muito puxada pela boa velocidade de vendas de lançamentos (praticamente metade das vendas foram de lançamento), enquanto na Eztec, que lançou menos, a participação de estoque pronto nas vendas foi o destaque, com 65% do total vendido. Esperamos reação marginalmente positiva do mercado já que a recuperação ainda é lenta e os papéis já vem de uma performance positiva nesse mês de outubro.

Mais um bom trimestre da Tenda (TEND3). Já a construtora voltada para o programa Minha Casa Minha Vida repetiu a boa performance do 2T18. O valor geral de vendas cresceu 22,6% na comparação com o 3T17, com velocidade de vendas com forte expansão. Os distratos, por outro lado, mostraram retração nessa mesma comparação, representando 9,9% das vendas brutas, contra 13,1% há um ano. O mercado já esperava um bom desempenho da companhia no trimestre, ainda assim, esperamos reação positiva à divulgação.

Carrefour (CRFB3) reporta prévia de vendas. A companhia reportou crescimento de 8,1% nas vendas brutas do terceiro trimestre em comparação com o mesmo período de 2017, puxado pelo aumento de 11,2% nas vendas da bandeira Atacadão. As vendas mesmas lojas registraram elevação de 5,1%, incluindo gasolina, sendo o maior nível desde 1T17. Outro ponto favorável foi o crescimento de 30,5% no faturamento total do banco CFS, com os cartões Atacadão representando 23% do total. Mesmo apresentando melhora no período, destacamos que a sua principal concorrente, GPA, já havia reportado prévia mostrando números melhores que a do Carrefour. O Carrefour reportará seu resultado do terceiro trimestre no dia 7 de novembro depois do fechamento do mercado.

Vale (VALE3) com forte geração de caixa. Segundo estimativas da própria mineradora, informadas ao mercado ontem, o fluxo de caixa livre deste ano, excluindo os desinvestimentos, deve chegar a US$ 10 bilhões, frente aos US$ 3,4 bilhões registrados ano passado. A Vale ainda reiterou que espera chegar ao final do ano com uma dívida líquida inferior a US$ 10 bilhões, contra os US$ 18,1 bi registrados ao final de 2017 e os US$ 11,5 bi do segundo trimestre. Ademais, foi informado que as operações da Samarco devem ser retomadas no início de 2020, de forma gradual e condicionada à obtenção das licenças necessárias. Suas ações devem responder de forma positiva às novidades.
   
Reajuste tarifário e prévia operacional da Energias do Brasil (ENBR3). A agência reguladora do setor autorizou o reajuste médio de 16,1% nas tarifas da EDP São Paulo, que deve ser aplicado a partir de terça-feira, dia 23. Além disso, a elétrica divulgou prévia operacional do terceiro trimestre, onde mostra que o volume de vendas no segmento de distribuição cresceu 4,2% frente ao terceiro trimestre de 2017, com a EDP Espírito Santo subindo 7,7% e a EDP São Paulo 2%, na mesma base de comparação. Por outro lado, em geração, além da maior exposição ao mercado de curto prazo no período em análise, a produção termelétrica foi afetada por uma parada programada para manutenção, o que tende a pressionar os resultados do segmento. Dessa forma, suas ações devem responder de forma apenas marginalmente positiva ao longo do pregão hoje.

Senado rejeita projeto relacionado à Eletrobras (ELET6). Ontem, o Senado rejeitou, por 34 votos a 18, o projeto de lei que poderia destravar a venda das distribuidoras da Eletrobras. Com isso a venda da distribuidora Amazonas Energia, cujo leilão está marcado para o próximo dia 25 de outubro, é colocada em dúvida, assim como a venda da distribuidora de Alagoas, suspensa por liminar judicial. Se não forem vendidas, as duas companhias podem ser liquidadas, já que operam sem contrato de concessão, deixando dívidas de cerca de R$ 13 bilhões para Eletrobras. Além disso, a rejeição do projeto também traz dúvidas quanto à conclusão da venda das outras quatro distribuidoras, que foram leiloadas no final de agosto. As ações da companhia devem reagir de forma negativa à novidade.

Ser (SEER3) aprovou um programa de recompra de ações.
A companhia aprovou um programa de recompra de até 9% dos papéis em circulação. O prazo para aquisição de ações é de 365 dias, contados a partir de 16 de outubro.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios