Segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

 
 

Bom dia,


Atento às reformas, mercado mantém estimativas. Houve pouquíssimas alterações no Boletim Focus dessa semana, com a projeção para o PIB de 2019 melhorando marginalmente para 2,57%, frente aos 2,53% da última divulgação. As expectativas para câmbio e juros ficaram estáveis, tanto para esse quanto para o próximo ano. Frente a agenda macro vazia dessa segunda-feira, o noticiário político segue em evidência, com os holofotes voltados a reforma da previdência. Segundo matéria do Estadão, a proposta de Guedes deve contemplar uma economia maior do que à proposta do Governo Temer.

a

Atividade em desaceleração na zona do euro. A produção industrial caiu 1,7% em novembro, frente ao mês anterior, sobretudo por conta da queda no setor de bens de capital. Em termos regionais, destaque negativo para Irlanda (-7,5%), Portugal (-2,5%) e Alemanha (-1,9%).

Bolsas com tendência de baixa. Os dados comerciais chineses trouxeram queda nas exportações e importações no mês de dezembro, ficando bem abaixo das previsões, deixando os mercados no vermelho. Esse resultado reforça as preocupações com a economia chinesa e as incertezas quanto à falta de um acordo entre EUA e China. A agenda continua bem fraca nos EUA por conta do shutdown, que vem provocando atrasos na divulgação de alguns importantes indicadores econômicos, deixando os investidores por lá atentos ao início da divulgação de resultados relativos ao quarto trimestre, nesta semana. Já na Europa, a votação do acordo do Brexit continua preocupando os mercados, preocupação reforçada pelos últimos dados econômicos mostrando desaceleração.

   

Prévia operacional da Cyrela (CYRE3). A companhia lançou mais no 4T18 do que havia lançado nos outros três trimestres do ano. Desconsiderando a participação de terceiros nos lançamentos e as permutas, foi R$ 1,598 bilhão de VGV potencial nesse trimestre para fechar o ano em R$ 3,097 bilhões. Em vendas, o movimento foi parecido. R$ 1,549 bilhão vendido nesse trimestre, também considerando somente a parte que cabe à Cyrela, fechando 2018 com vendas totais de R$ 3,239 bilhões. Ponto negativo do trimestre é que a venda de estoque pronto seguiu em um ritmo ainda lento, como nos últimos trimestres. Ainda assim, o forte crescimento nos lançamentos, que tiveram uma boa velocidade de vendas, deve manter os papéis no campo positivo no pregão de hoje.

Decisão favorável à Petrobras (PETR4). O ministro Dias Toffoli derrubou a decisão de Marco Aurélio de Mello, que comprometia a venda de ativos da estatal. Agora, volta a valer o decreto 9.355/18, que permite que a estatal venda ativos, como blocos de petróleo, sem a necessidade de fazer licitações. Segundo Tofolli, a suspensão do decreto gera um "gravíssimo comprometimento" das atividades do setor. De toda forma, o plenário do Supremo Tribunal Federal deve analisar o pedido de contestação, feito pelo Partido dos Trabalhadores, no próximo dia 27 de fevereiro.

BR Properties (BRPR3) vende imóveis para FII. A companhia vendeu três ativos pelo valor total de R$ 395 milhões. Os imóveis vendidos são: Edifício Alphaville, em Barueri, Edifício Águas Claras, em Nova Lima-MG, e Edifício Barra da Tijuca, no Rio. A companhia, no entanto, não informou os múltiplos da transação. Não esperamos uma reação muito forte do mercado ao anúncio.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios