Quarta-feira, 13 de junho de 2018

 
 

Bom dia,


Dados sem surpresas do varejo. Os números divulgados pelo IBGE mostraram que o ritmo de expansão do comércio varejista se manteve praticamente inalterado em abril, com alta em todos os segmentos. Como os dados são de abril, não têm qualquer efeito da greve dos caminhoneiros, iniciada no final de maio, e dessa forma, devem ter pouco, se qualquer impacto no mercado. 

a

Produção perde fôlego na zona do euro. Em abril, a produção industrial do bloco caiu 0,9% frente a março, na série com ajuste sazonal, sobretudo em razão do menor dinamismo no segmento de energia e na produção de bens de consumo, duráveis e não duráveis. Já em termos geográficos, cabe destacar o desempenho da Alemanha, que registrou retração de 1,7% no mesmo período. Outras grandes economias do bloco, como França, Espanha e Itália também tiveram desempenho negativo.
   
Inflação acelera no Reino Unido. O índice de preços do consumidor apresentou alta de 2,3% em maio, frente ao mês anterior, com a alta registrada em combustíveis e em tarifas aéreas e marítimas sendo parcialmente compensada pela desaceleração em energia elétrica e alimentos e bebidas não alcoólicas. Em doze meses, o CPI ficou em 2,4%, inalterado em relação a abril e em linha com as estimativas do mercado.

FOMC no radar dos investidores. Não a decisão sobre os juros em si, já que o mercado espera uma elevação na taxa e ela não será nenhuma surpresa, mas nos sinais que o comitê dará sobre os próximos passos na condução da política monetária norte-americana. Os temores são que os últimos indicadores mais favoráveis da economia americana, com destaque para o desemprego baixo, leve a um aperto monetário mais rápido pela autoridade monetária americana, o que teria forte impacto no fluxo de capital, especialmente nos países emergentes, ainda mais em um com tantas incertezas como o Brasil. Entre os indicadores programados para o dia, destaque para a inflação ao produtor, PPI, de maio que deve ficar estável em relação a abril quando olhamos para o seu núcleo, que exclui os itens mais voláteis do índice. Além disso, temos o estoque semanal de petróleo, que sempre mexe com a commodity.

Bolsas sem direção única lá fora. Em dia de grande expectativa com o Fed, as Bolsas oscilam entre a estabilidade e leves ganhos na Europa, com os investidores ignorando os dados mais fracos da atividade, conforme comentamos acima. Já na Ásia, os índices fecharam majoritariamente no campo negativo, em razão da volta das tensões comerciais entre Pequim e Washington e pela decisão do banco central chinês, que afrouxou as regras que limitavam a venda de ações por parte de investidores estrangeiros.

 

aBRF (BRFS3) fecha linha de produção em Goiás. O corte na linha de produção de perus se deve às restrições dos mercados externos. Segundo a companhia, a produção de perus será concentrada em Chapecó. Mais uma notícia negativa para a companhia, desta forma, acreditamos que suas ações devem responder negativamente no pregão de hoje.

Iochpe (MYPK3) distribuirá proventos. A companhia anunciou a distribuição de JCP no valor líquido de R$ 0,203 por ação, o equivalente a um yield de 0,9%. Os papéis ficarão ex-proventos na próxima sexta-feira (15/06) e o pagamento deve ocorrer até o fim de março de 2019.

Fitch eleva rating da Liq (LIQO3). Apesar de manter a classificação de risco da empresa em grau bastante baixo, a agência de rating subiu a nota de crédito da companhia para CCC, porém sem indicar uma perspectiva (positiva, estável ou negativa) para a próxima revisão. Isso ocorreu em razão da reestruturação em sua dívida que permitiu um fôlego temporário de caixa diante da sua fraca geração operacional de resultados. A Fitch considera que a empresa possui grandes desafios para incrementar seu fluxo de caixa, a fim de honrar o início do pagamento dos juros da dívida reestruturada, em mar/19. A Liq passa por uma ampla reestruturação de seus negócios que detalhamos mais em nosso relatório recente do contato direto que tivemos com a empresa. A avaliação da Fitch veio de encontro com o que vislumbramos para a Liq e, dessa forma, consideramos que mesmo com a elevação do rating, os papéis LIQO3 ainda deverão seguir bastante descontados em bolsa em virtude das incertezas no horizonte da Liq.

Gerdau (GGBR4) perde ação em 2ª instância. A siderúrgica anunciou que obteve decisão desfavorável em 2ª instância, relativa à acusação de que a Gerdau e outros produtores de aços longos teriam infringido a legislação antitruste. Em 1ª instância foi determinado o pagamento de uma multa de 7% sobre o faturamento bruto do exercício anterior à instauração do processo, que conforme a última atualização, ainda de 2013, correspondia a R$ 417,8 milhões. A Gerdau reitera que irá adotar todas as medidas cabíveis para reverter a decisão, entretanto, suas ações devem reagir de forma negativa à novidade.

AGENDA DE DIVIDENDOS


 
Bons negócios