Quinta-Feira, 13 de abril de 2017

 
 

Bom dia,


1

COPOM não se compromete com ritmo de corte. Confirmando as expectativas do mercado, o COPOM intensificou o processo de afrouxamento monetário, ao reduzir em 100 pontos a meta para a taxa Selic. Assim, o destaque ficou com o comunicado do Banco Central, que trouxe poucos indícios sobre a magnitude do próximo corte, condicionando o movimento à evolução de determinados fatores de riscos, como o crescimento da economia global e a sustentabilidade dos preços das commodities, em âmbito externo, e a aprovação e implementação das reformas no mercado doméstico.

Setor de serviços em recuperação. Em fev/17, o volume de serviços prestados cresceu 0,7% sobre o primeiro mês de 2017. Essa alta sequencial ocorre após ter registrado avanço de 0,2% em jan/17, no dado revisado, e de 0,6% em dez/17, reforçando os sinais de recuperação da atividade nesse setor da economia que foi demasiadamente afetado nos últimos anos. Apesar do resultado positivo, o número oficial veio ligeiramente abaixo da mediana das projeções de mercado que indicava alta de 0,9%, o que pode conter parte do ânimo com a retomada do setor.
a
Balança Comercial da China supera expectativas. O superávit de US$ 23,93 bilhões da balança comercial de março superou, e muito, as estimativas do mercado, que apontavam para um resultado positivo em torno de US$ 10 bilhões. As exportações se recuperaram da queda de 1,3% registrada em fevereiro, com alta de 16,4% em doze meses, enquanto que as importações avançaram 20,3% na comparação com o mesmo período de 2016. Esse resultado reitera a percepção de que o arrefecimento econômico do gigante asiático será "suave", contribuindo positivamente para o desempenho das commodities hoje.

Inflação e mercado de trabalho na agenda dos EUA. Logo pela manhã será divulgado o índice de preços ao produtor (PPI) referente a março, cuja expectativa é de leve arrefecimento na comparação mensal, num movimento de acomodação, após o dado superar as estimativas em fevereiro. A confiança do consumidor, prévia de abril, medida pela Universidade de Michigan, deve seguir essa mesma tendência de sutil desaceleração, enquanto que o número de pedidos de auxílio desemprego pode apresentar alguma aceleração, com as projeções apontando para 245 mil pedidos, ante os 234 mil pedidos registrados na última leitura. Além desses dados econômicos, com certeza, as questões geopolíticas continuarão no radar, com a relação entre EUA e Coreia do Norte aumentando a tensão dos investidores mundo afora.

Inflação alemã desacelera. Como era previsto pelo mercado, o CPI referente à mar/17 subiu 1,5% na comparação anual, arrefecendo em relação à alta anual de 2,2% registrada em fev/17. As variações nos preços dos combustíveis e dos bens alimentares, sobretudo agrícolas, foram as principais para explicar esse menor crescimento da inflação. Essa desaceleração de preços na maior economia da Zona do Euro certamente aliviará os temores recentes de que o Banco Central Europeu (BCE) poderia antecipar o fim de seus estímulos monetários, programados para acabar em dezembro deste ano. O CPI consolidado do bloco europeu será conhecido na próxima quarta-feira (19/abr) e tende a vir ainda abaixo da meta de 2% a.a. do BCE.

Bolsas pressionadas por fatores geopolíticos. Com o acirramento da tensão na península da Coreia, as Bolsas tem um dia de queda na Europa e na Ásia. Apenas a Bolsa de Shanghai fechou no azul, mas ainda assim, com uma alta bem tímida, por conta de indicadores mais positivos na China (com texto acima) e notícias sobre mais uma zona econômica por lá. Além disso, ajudam para o mal humor do mercado as declarações do presidente Trump sobre a atuação do FED e a sua visão de que o dólar está muito forte, o que pressionou a cotação da moeda americana ao redor do globo. Por aqui, o mercado deve repercutir a decisão de ontem do COPOM (texto mais acima), mas a aversão ao risco, presente lá fora, também deve dar as caras por aqui.

 
a
Embraer (EMBR3) entrega menos aeronaves no trimestre. A companhia anunciou sua prévia operacional do 1T17, com um número de aeronaves entregues bem abaixo do 4T16 e também do 1T16. Foram 33 agora, contra 44 no mesmo período do ano passado e 75 no trimestre findo em dezembro. O destaque do trimestre foi o primeiro voo do E195-E2, uma aeronave da segunda geração de E-Jets, que ocorreu antes do previsto. A carteira de pedidos firmes também se reduziu, tanto na comparação trimestral quanto na anual.

Bancos reduzem juros após corte na Selic (ITUB4, BBDC4, BBAS3, SANB11). Após a decisão do Copom, os principais bancos privados anunciaram redução de suas taxas de juros em algumas categorias de crédito tanto para pessoas físicas, quanto jurídicas. A decisão não deve ter impacto muito relevante nos resultados, já que não esperamos queda nos spreads bancários no decorrer do ano, tendo em vista o cenário ainda bastante incerto para inadimplência. O impacto da queda nos juros na demanda por crédito também deve ser apenas marginal.

RaiaDrogasil (RADL3) agora é RD. Para refletir a diversificação de sua atuação desde a fusão entre a Droga Raia e a Drogasil, a companhia resolveu mudar de marca. A RD agora se divide em três principais segmentos, RD Farmácias (Droga Raia, Drogasil e Farmasil), RD Serviços (4Bio e Univers) e RD Marcas (Needs, BWell, Triss e Pluii). Vale ressaltar que a empresa continua a ser negociada pelo código RADL3.

Estácio (ESTC3) conclui investigação interna e isenta CEO. A Estácio, que está em processo de fusão com a Kroton (KROT3), informou ontem à CVM que concluiu o processo de investigação interna destinado a apurar denúncias de que seu presidente, Pedro Thompson, teria discutido com advogados externos alternativas para inviabilizar a combinação de negócios entre as duas maiores empresas de ensino do país. De acordo com a nota, "A investigação conduzida pela companhia não encontrou qualquer evidência, de qualquer natureza, de que o diretor-presidente, seja diretamente ou por meio de tratativas com qualquer outro integrante da diretoria, do conselho de administração ou do quadro de funcionários, consultores ou ex-consultores da Estácio, tenham tomado qualquer medida que pudesse, sob qualquer forma, impedir, retardar ou dificultar o processo de combinação de negócios entre a Kroton e a Estácio". A investigação envolveu a análise de mais de 22 mil documentos coletados da base de dados da companhia e de Thompson, e entrevistas com pessoas selecionadas. Acreditamos que essa apuração da Estácio pode tirar parte da pressão que os investidores estavam colocando sob a efetividade da fusão entre as companhias.

Prévia operacional sem surpresas da Triunfo (TPIS3). A companhia divulgou sua prévia operacional com números pressionados nas Rodovias. Por outro lado, os números do Porto de Navegantes continuaram fortes e o terminal de Viracopos dá sinais de recuperação. Os dados operacionais, porém, devem ficar em segundo plano, tendo em vista a decisão da companhia de vender a participação em ativos não rodoviários, que deve ser o principal catalisador das ações no ano.

AGENDA DE DIVIDENDOS


Bons negócios.