Segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

 
 

Bom dia,


1IPC-S avança na primeira semana de janeiro. O IPC-S apresentou variação de 0,31%, ficando 0,10 p.p. acima da taxa registrada na última divulgação. Das oito classes que compõem o índice, cinco delas apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, com a maior contribuição partindo do grupo alimentação. As outras classes de despesa, como habitação, educação, leitura e recreação, comunicação e despesas diversas, também registraram acréscimo em suas taxas de variação.

Poucas alterações nas primeiras projeções do ano. O primeiro boletim Focus de 2018 não trouxe grandes alterações para as projeções para o ano, deixando a estimativa para Selic inalterada em 6,75% no final do ano. Já para a inflação mostrou ligeira queda de 0,01 p.p., ficando em 3,95%. Da mesma forma, as projeções para o PIB neste ano também apresentaram leve queda, saindo de 2,7% para 2,69%. Já a estimativa para a taxa de câmbio para o fechamento de 2018 veio estável na casa dos R$ 3,34. Além do informativo semanal do BC, ainda conheceremos hoje a balança comercial que sairá às 15h00.

a
Indicadores positivos na zona do euro. Os dados de novembro de vendas no varejo, divulgados pela Eurostat, vieram acima da estimativa, com alta de 2,8% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Destaque para os itens de vestuário e calçados nesse mês e entre os principais países do bloco, Alemanha e Portugal puxaram o resultado para cima. Também na Europa saíram os dados de confiança com destaque para o ESI – Indicador de Sentimento Econômico que fechou dezembro em 116,0 pontos, vindo de 114,6, quando a expectativa era de melhora bem leve, para 114,7. Os indicadores reforçam a visão mais positiva para as economias do bloco que tem ajudado a manter os mercados em alta nesse começo de ano.

Agenda amena nos EUA. Sem indicadores relevantes no decorrer do dia, os mercados ficam de olho nos discursos dos representantes regionais do Fed, dois deles (Atlanta e São Francisco) com direito a voto agora em 2018. Os presidentes regionais podem repercutir os dados mais fracos do payroll divulgados na última sexta.

Bolsas no azul. Nem o “livro-bomba” com declarações do ex-estrategista chefe da Casa Branca no governo Trump, Steve Bannon, classificado como um “fake book” pelo presidente americano tirou o bom humor dos mercados lá fora. Os indicadores positivos divulgados na Europa, a perspectiva de uma boa temporada de balanços por lá e a reunião esperada para amanhã entre autoridades sul e norte-coreanas (a primeira em mais de dois anos) são as principais causas de otimismo lá fora.

 

a
JSL (JSLG3) afirma que está avaliando captação externa. Em resposta às notícias veiculadas recentemente que davam conta de uma emissão externa de dívida, a companhia esclareceu que encontra em fase avançada de avaliação e estudo sobre a viabilidade da captação por bonds. Porém, os valores pretendidos, as taxas e os prazos esperados não foram comentados pela empresa. De todo modo, observamos que há algum tempo o grupo JSL tem reduzido seus custos de financiamento em moeda local e não nos surpreende a procura por menores juros no mercado de dívida externa. Portanto, seguimos com a mesma visão positiva para os papéis JSLG3 que têm se beneficiado em bolsa pelo possível IPO da sua subsidiária, a Vamos, no curto prazo.

Ações da Ideiasnet (IDNT3) passam a ser negociadas no segmento tradicional da B3. Como destacamos na última sexta-feira, a maioria dos acionistas da companhia aprovou, em assembleia, a saída do segmento de maior governança corporativa da B3, mas sem a necessidade de realizar uma OPA. Dessa forma, a partir de hoje os ativos IDNT3 passarão a ser negociados no segmento tradicional da bolsa e, por essa razão, entendemos que seus papéis tendem a continuar reagindo negativamente no curto prazo.

AGENDA DE DIVIDENDOS


Bons negócios