Quinta-feira, 7 de junho de 2018

 
 

Bom dia,


Inflação acelera e indicadores do mercado de trabalho se deterioram. O IGP-DI apresentou alta de 1,64% em maio, acelerando frente 0,93% registrados em abril. Houve alta tanto nos preços ao produtor, principalmente pela aceleração nos custos com matérias-primas, combustíveis e minério, quanto nos preços ao consumidor, onde o destaque ficou com as tarifas de eletricidade, que puxaram os preços da categoria habitação. O indicador antecedente do emprego, também divulgado pela FGV, recuou 2,5 pontos entre abril e maio, com a recente deterioração das expectativas de crescimento econômico reduzindo a disposição a contratar nos próximos meses. 

a

Atividade arrefece na Zona do Euro. O PIB do 1° trimestre do bloco europeu avançou 0,4% frente ao trimestre imediatamente anterior, puxado principalmente pela alta no consumo das famílias e na formação bruta de capital fixo. As duas principais economias do bloco, Alemanha e  França, apresentaram desempenho modesto, com alta de 0,3% e 0,2% respectivamente, enquanto países como a Polônia e a Hungria tiveram resultado mais forte. Em doze meses, o PIB da zona do euro avançou 2,5% denotando ligeira desaceleração frente ao crescimento de 2,8% registrado ao final do 4° trim/17.
   
Política é destaque nos EUA. Na agenda norte-americana desta quinta-feira destaque para  o número semanal de pedidos de auxílio desemprego e para o volume de crédito ao consumidor em abril, que deve acelerar frente ao mês anterior. Entretanto, a atenção dos investidores deve se voltar para as negociações comerciais diante da agenda agitada de Trump, que irá se encontrar com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ainda hoje e amanhã deve se reunir com o primeiro-ministro do Canadá e com o presidente da França.

Bolsas seguem tendência positiva. Apesar dos sinais de arrefecimento vindo da Europa e da cautela com a situação na Itália, a maior parte dos índices opera ou já fecharam com leves ganhos nesta manhã. Por aqui, além da continuidade dos estudos em torno da política de preço dos combustíveis, fica no radar o leilão do pré-sal que, segundo estimativas do mercado, pode gerar receitas de até R$ 3,2 bi ao governo federal.

 

aCâmara aprova regulação dos distratos. Na regra aprovada pelos deputados, a multa pela devolução do apartamento será de 25% a 50%, dependendo do regime da construção. Agora a lei vai tramitar no Senado. Esse é um pedido antigo das incorporadoras, que buscam especialmente “desjudicializar” a questão do distrato, o que acabava gerando custos adicionais e alongando as disputas.

Suzano (SUZB3) estima perdas com greve. A companhia avalia que a sua produção foi afetada em 80 mil toneladas de celulose e 25 mil toneladas de papel no período de paralisação. Para comparar, a produção total do 1T18 foi de 918 mil toneladas de celulose e de 295 mil toneladas de papel, ou seja, seria o equivalente a 8,7% e 8,5% da produção do último trimestre, respectivamente. Os papéis da companhia têm performado muito bem, especialmente por conta da questão cambial, o que vem mitigando o efeito negativo dessa parada forçada.

MEC amplia teto semestral do FIES (ANIM3, ESTC3, KROT3 e SEER3). Em anúncio feito ontem, o Ministério da Educação aumentou o teto do FIES a partir do segundo semestre deste ano. A quantia financiável das graduações presenciais inscritas no programa passa de R$ 30 mil por semestre para mais de R$ 42 mil, representando um aumento de 43% no valor financiável da mensalidade. Os estudantes contarão com a garantia de financiamento mínimo de 50% do curso escolhido, sendo que serão ofertadas 155 mil vagas do FIES no ciclo de captação de 2º Sem/18, totalizando os 310 mil financiamentos públicos indicados pelo MEC para este ano. Consideramos a notícia positiva para as empresas integrantes desse setor em bolsa, sobretudo pela elevação na base elegível do FIES, ao permitir que cursos com mensalidades mais altas concorram aos contratos de financiamento público. Em nossa visão, após o atraso no cronograma do FIES no primeiro semestre deste ano, a normalização e o aprimoramento no programa para o segundo ciclo de captação de alunos deve ser bem recebida pelos investidores.

AGENDA DE DIVIDENDOS


 
Bons negócios