Segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

 
 

Bom dia,


Primeiro relatório do BC no ano não traz grandes mudanças. O Boletim Focus traz a perspectiva de uma inflação controlada, com projeção para o IPCA se mantendo em 4,01% e 4,00% em 2019 e 2020, respectivamente. Para o PIB desse ano, a mediana das estimativas se manteve ao redor de 2,5% para os dois próximos anos, enquanto a projeção para a Selic para o final de 2019 apresentou queda, saindo de 7,13% para 7,00%, seguindo em 8,00% para o fim de 2020.

a

Dados fracos da Europa. As vendas no varejo em novembro cresceram 0,6% frente a outubro, na serie com ajuste sazonal, em linha com o resultado anterior. Em comparação com novembro de 2017 a alta foi de 1,1%. Esse número veio bem abaixo do reportado no mês anterior, quando o crescimento tinha sido de 2,3% sobre outubro de 2017. Já a confiança do investidor registrou a quinta queda consecutiva em janeiro, chegando a -1,5 ponto. Incertezas com relação ao crescimento econômico na própria Europa e nos Estados Unidos, a condução da política monetária e os conflitos comerciais justificam, em boa medida, tal desempenho. Cabe destacar, entretanto, que a visão é ligeiramente mais positiva para a América Latina.

Negociação EUA-China no radar dos investidores. Lá fora, com agenda de indicadores relativamente fraca nessa segunda-feira, os mercados asiáticos fecharam em alta, com o otimismo do mercado sendo alimentado pela rodada de negociações, entre hoje e amanhã, de autoridades americanas e chinesas. A perspectiva de um acordo anima os mercados, bastante temerosos quanto aos efeitos dessa disputa para o crescimento econômico dos dois países. As negociações também fazem os futuros em NY apontarem para uma abertura no azul, após um pregão de forte alta na sexta, na esteira de um payroll mais forte que o esperado e de declarações mais dovish do presidente do Fed, Jerome Powell. Na Europa, no entanto, os índices operam no vermelho, com o cenário local mais conturbado. Na França, os protestos voltaram no final de semana, o Reino Unido parece cada vez mais se aproximar de um Brexit sem acordo, e na Alemanha os dados mais recentes mostraram retração nos pedidos à indústria em novembro.

   

CVC (CVCB3) reporta prévia de desempenho. A companhia apresentou crescimento em suas reservas confirmadas, totalizando R$ 3.540,4 milhões no 4T18, alta de 17,4% versus o 4T17. No ano o aumento das reservas confirmadas atingiu 11,7%, totalizando R$ 13.261,9 milhões. Todos os seus canais de vendas alcançaram crescimento no trimestre, em especial o canal online que apresentou forte alta de 114,5% no 4T18. Considerando o bom desempenho reportado pela empresa, esperamos que suas ações venham responder positivamente no pregão de hoje.

Prévia operacional da Gol (GOLL4). A cia aérea divulgou seus números referentes à dezembro com melhora na taxa de ocupação, em decorrência da evolução mostrada no mercado doméstico. A oferta para voos nacionais se retraiu em 0,5%, ainda assim, a demanda cresceu 3,0%, todas as comparações com o mesmo mês do ano anterior. Em voos internacionais, boa evolução da oferta e da demanda, mas com leve queda na taxa de ocupação. A pontualidade da cia, no entanto, piorou bastante. Em carga, avanço de 2,4% no volume transportado. Consideramos os números marginalmente positivos.

AGENDA DE DIVIDENDOS



Bons negócios