Segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

 
 

Bom dia,



Mercado espera queda nos juros. A média das estimativas para a Selic ao final desse ano caiu de 7,0% para 6,5%, segundo o Boletim Focus dessa semana. Também houve revisão nas projeções para o dólar, de R$ 3,75 na última semana para R$ 3,70 agora. Já o  índice de preços ao consumidor do município de São Paulo, também divulgado esta manhã, apresentou alta de 0,58% em janeiro, acelerando contra os 0,43% da última leitura e os 0,09% registrados no final de dezembro, sobretudo em razão da alta dos reajustes dos transportes e na educação. Ademais, o noticiário político continua no radar nesta segunda-feira, com os investidores digerindo o resultado das eleições para presidência da Câmara e do Senado. A vitória tranquila de Rodrigo Maia, a princípio, deve se sobressair frente a disputa mais acirrada e a vitória inesperada de Davi Alcolumbre, no Senado.

aDia misto lá fora. Na Ásia, as Bolsas chinesas ficaram fechadas por conta do feriado do ano novo lunar, mas no Japão, o dia foi mais positivo, ainda na esteira dos dados do payroll que vieram muito acima do esperado na sexta-feira, mostrando um cenário muito forte para o mercado de trabalho americano em janeiro, a despeito da paralisação do governo que durou praticamente todo o mês. Na Europa, o dia é mais pressionado, com dados mais negativos. A inflação ao produtor, PPI, caiu pelo segundo mês seguido em dezembro, ainda assim, em relação a dezembro do ano anterior, o índice ficou em 3,0%. Uma sondagem com investidores europeus mostrou que a expectativa entre eles está no nível mais baixo desde novembro de 2014. Nos EUA, a divulgação de dados macro vai se normalizando aos poucos, mas ao invés dos dados da indústria referentes a dezembro, os dados de novembro que devem ser divulgados hoje, no começo da tarde. Mercado fica de olho, após o pregão, ao resultado do Google. 

 


Resultado sólido da Porto (PSSA3). Após um começo de ano mais pressionado em 2018, a companhia voltou a mostrar evolução nos seus números, com a receita total chegando a R$ 4,7 bilhões no último trimestre, contra R$ 4,5 bi tanto no 4T17 quanto no 3T18. O resultado financeiro, no entanto, foi o grande destaque do trimestre, com a carteira de investimentos do banco atingindo uma rentabilidade de 166% do CDI, contra 107% há um ano. A boa evolução nos negócios financeiros (cartão de crédito, financiamento e consórcio) também favoreceu o lucro líquido do período que saltou 43% na comparação com o 4T17.

CADE aprova aquisição da Movida (MOVI3).
O órgão aprovou, sem restrições, a incorporação de ativos do grupo Avis Budget pela companhia, no âmbito da aliança estratégica fechada em agosto do ano passado. Com o acordo, a Movida vira master franqueadora da Avis no Brasil por 10 anos, com possível renovação por mais 10 anos. A aquisição de ativos compreende cerca de 4.400 carros, com valor aproximado de R$ 150 milhões. Além disso, as duas companhias fecharam um acordo de cooperação, dessa forma, os clientes de uma podem ser atendidos pela outra quando saírem de seus países de origem.

AGENDA DE DIVIDENDOS



AGENDA DE RESULTADOS



Bons negócios